De Olho na Notícia
  Em Cima da Hora  
    
11/06/2018
Escultura com três mil anos intriga a comunidade científica
Uma escultura enigmática encontrada no médio oriente, com mais de três mil anos, está a levantar sérias dúvidas entre os arqueólogos. É que ninguém parece ser capaz de identificar quem representa.

Uma equipa de arqueólogos encontrou a figura em 2017 durante as escavações em Abel Beth Maacah, uma zona localizada na fronteira entre Israel e o Líbano. Com cinco centímetros é um dos raros exemplos de arte figurativa do século nono Antes de Cristo (AC), um período associado a réis bíblicos.

A figura encontra-se bem conservada; falta-lhe apenas um pouco da barba. A coroa indicia que se trata de uma figura da realeza, mas ninguém parece ser capaz de identificar quem representa.

O local onde a imagem foi encontrada tinha como nome Abil al-Qamh e era o ponto de interceção de três poderosas potências. O reino arameu, os fenícios e o reino de Israel.

«A localização é muito importante porque sugere que o sítio onde a estátua foi encontrada pode ter mudado de mãos várias vezes«, disse Naama Yahalom-Mack, arqueóloga da Universidade Hebraica, citada pelo «The Guardian«

A equipa de cientistas liderada pela arqueóloga estava a escavar o piso de uma estrutura da idade do ferro. A camada onde a cabeça foi encontrada data da época associada aos reinos bíblicos rivais de Israel e Judá.

A peça foi rapidamente colocada numa exposição do Museu de Israel, em Jerusalém. Eran Arie, responsável pelas coleções da idade do ferro e especialista no período persa, explicou que a descoberta é «verdadeiramente importante« por se tratar de «uma peça encontrada num elevado estado de conservação«.

A pequena imagem é feita de faiança, uma material semelhante ao vidro, popular em joias no antigo Egito. «A única hipótese que temos aqui é a de tentar adivinhar a identidade por trás desta figura. É como um olá do passado, mas não sabemos muito mais sobre isto«, referiu Naama.
Fonte: Canal da Arqueologia