Diversão e Arte
Flávio Spirito Santo
Quando saiu o livro de Nelson Motta “ Noites Tropicais” em 2000, não perdi tempo e garanti um para mim.

Na página 284 deslumbrei-me com o texto que assim começava: “ NO VERÃO de 76, em BÚZIOS, conheci um roqueiro capixaba, um bicho muito louco e de simpatia esfuziante, que usava o nome de guerra de Flávio Spiritu Santo (sic).

Ele tinha uma banda de rock e veio com um papo de fazermos um festival em Saquarema, junto com um campeonato de surf, disse que conhecia o prefeito que já tinha um local (um estádio de futebol) e que sendo fora do Rio, seria mais fácil fazer...” Liguei e ele ficou meio de nariz em pé senti isso ao telefone pelo tom de sua voz e que não havia autorizado nada e coisa e tal. Nesta semana de dezembro de 2010, saiu na Revista de O Globo, matéria sobre o tal festival e justamente ele abre a matéria Liguei de novo. E aí ? De novo nas manchetes com o seu festival; compra O Globo. Ah, pensei que você tivesse ligado para me dar os parabéns antecipados pela vitória do Fluminense.


Flávio Rodrigues, um dia partiu para o Rio e não mais voltou à sua terra natal, Vitória. Instalou-se num apartamento na Buarque de Macedo, meio Flamengo, meio Catete, e lá permanece. É figurinha popular pelas ruas do bairro, sempre acenando e cumprimentando as pessoas, assim como ele é bastante saudado.
Trombei com ele outro dia no Largo do Machado e ele me falou de planos de gravar um DVD no Canecão. Pelo menos o Canecão fechou, para não frustá-los em seus sonhos roqueiros. Teve uma banda de rock nos anos 70 e fez dois discos independentes.

Adotou o nome Flávio Spirito Santo. Tornou-se o anônimo mais popular no mundo rock justamente devido aquele festival Som, Sol e Surf de Saquarema, em 1976.

Emblemáticamente Saquarema abriga outra figura folclórica do rock: o velho Seguei, hoje com 77 anos e é mantido pela municipalidade como atração turística.

Flávio Spirito Santo não alcançou ainda esse status mas, bem que merecia, por manter acesa a luz de seus sonhos em ser um pop star, um Van Halen, por exemplo. O tempo nos dirá.